Vida e Morte

O que determina
a vida vencendo a morte
nem sempre o sabemos.
Apenas comemoramos
diante de tragédias, descrenças, perdas
a sobrevivência
mágica e abençoada.
Quase inacreditável
um bebê, de 5 meses,
não fala, não come
não bebe água
só chora, baixinho.
Sozinho, por 22 horas.
Assim, sua alma, pequenina pérola
entre escombros da intempérie
num longínquo Nepal
permanece, linda e intacta,
a aguardar gente de coragem
cavar, com pás e mãos, a lhe retirar para o ar.
Emocionantes histórias
resgates inimagináveis
torcidas acaloradas
rezas sem fim.
Uma emoção coletiva
que faz solidária,
gente
de todo canto
de toda língua
de encantos e desencantos.
Que nesta hora, entre vida e morte,
entoa um só silêncio.
O da espera.
Pelo pulsar do coração
ao retirar o pó
que encobre a emoção de uma razão dolorida.

Emociona-me as mortes de tantas famílias pelo terremoto. Emociona-me as vidas salvas, os que salvam vidas. E reflito, aqui, com a sentença de que não dominamos a efemeridade, nem a finitude. Por isso, vivamos!!! bjs

(foto: O Globo)
*Lina Menezes

Publique aqui um comentário, dúvida ou sugestão