Sexo numa decisão pessoal

 

sexochuveiro1Fazer sexo é bom. Usar a imaginação, melhor ainda. Apimenta, emociona, dá + vida ao cotidiano.

Assim pensa muita gente com quem tenho conversado ao longo dos anos, na busca de compreender um pouco do resistente universo da mudança de hábitos.

Se, segundo pesquisas (como a mais atual, realizada ano passado – 2014), 94% dos entrevistados afirmam ter consciência da importância do uso do preservativo para combater doenças como a Aids, e em contrapartida 45% dizem não usar proteção (camisinha) nos relacionamentos sexuais casuais… temos um desafio e tanto.

O comportamento de risco para a Aids vem aumentando entre, nós, brasileiros.

Para o Ministério da Saúde, uma das metas é ampliar o acesso a outras ações, caso dos antirretrovirais de emergência (ou seja, funciona como um tipo de ‘pílula do dia seguinte’, uma terapia para combater o vírus HIV, disponível nos centros de referência de todo o país).

Não que seja contra a alternativa… mas, o que se faz necessário é buscarmos respostas para incorporar ações que nos permitam e ajudem na tomada de decisões educativas em prol do bem estar próprio e do outro.

O respeito ao desejo e ao prazer é fundamental. Premissa de toda e qualquer relação. Para que assim o seja, o compromisso com a vida e a felicidade (que também pressupõe saúde) deve ser praticado.

preservativo_de_corazonÉ mais barato, mais eficaz, mais seguro usar preservativo (masculino/feminino) nas relações sexuais, principalmente as casuais, do que tomar drogas (com uma gama de efeitos colaterais) na busca de tentar preservar a saúde, evitando a instalação do HIV e da Aids, além de outras doenças sexualmente transmissíveis.

A decisão cabe a cada um de nós!

Publique aqui um comentário, dúvida ou sugestão