Essa é uma pergunta cada dia mais frequente tanto na Europa quanto aqui entre brasileiros.

A longevidade veio para ficar. A Medicina é nossa aliada. Temos conseguido descobrir doenças mais cedo e driblar complicações com os avanços nas formas de tratar.

Assim levamos a vida por muito mais tempo. E pra muitos – já é realidade – ter uma vida bacana, com alegria e mantendo prazeres (viajar, ver um show, ir ao teatro, jogar com os amigos…). E mesmo quem dribla trancos e barrancos também tem conseguido ser longevo.

Tudo muito bem. Mas, a uma certa idade precisaremos de algum tipo de apoio. Seja pela baixa funcional ou por dependências pela cronicidade de condições, ou pelo cansaço do corpo e/ou por que queremos mais carinho e atenção. 

Mudanças

Creio que estamos acordando um tanto tardiamente. Mas, sempre é tempo (até porque não há saída! rss).

Para atender as necessidades do envelhecimento vamos precisar ser criativos e inovadores. 

Precisamos:

  • qualificar cuidadores (seja familiar ou profissional)
  • capacitar enfermeiros
  • ampliar treinamento para agentes de saúde.

Todos precisamos aprender novos conceitos sobre o envelhecer e saber lidar com a complexidade das alterações de corpo e mente com o avançar da idade.

  • Inclusive os médicos (além dos geriatras e gerontólogos) também terão necessidade de reciclagem para atender a essa demanda crescente dos mais velhos.

Na Suíça, por exemplo, além da explosão populacional com mais de 65 anos, a preocupação também está centrada nos cuidados. Metade dos funcionários que trabalham em lares de pessoas idosas também vão se aposentar nos próximos 15 anos.

Então, fica a pergunta que não quer calar? Quem vai cuidar de nós (idosos) no futuro?

Uma coisa é certa… se não acelerarmos os passos para implementar medidas preventivas, políticas públicas, conscientização sobre um envelhecimento ativo e saudável (que deve se iniciar desde a infância) teremos um problema imensamente maior que, talvez, aborte boa parte do nosso futuro. E penso que ninguém quer isso.

linamenezes@fazmuitobem.com

Publique aqui um comentário, dúvida ou sugestão