Deixe fluir….

Meu coração
pulsa
o pulso
como energia
que flui
entre seres
sistemas
planetas.

E se emaranha
num fluxo
movimento
independente
em que meu controle
se esvai
como o vento
natural e bom
numa tarde de domingo.

Minh’alma contrai a angústia
expande o coração.
Inaugura um novo olhar
capaz de desnudar-me
cai máscaras
refaz sentimentos
compõe alegrias
que resgatam sonhos
sem timidez.

Tonta estou
como que embriagada
o álcool não acha os poros
pois não foi tragado
pelas minhas células.
Elas estão desordenadas
alvoroçadas
brincando, livres,
como se aprendessem
a pular no rio
nadar sem rumo
mergulhar no desconhecido.

Uma sensação nova
com cara de velha conhecida.
Pois, o coração, já sabia.
Estava, há muito, lá,
paciente como que a esperar
o tempo da descoberta.
E, por isso, sorri.
Com o respeito no crer
na fé, em mim, na vida.

lina menezes 3out2015

Publique aqui um comentário, dúvida ou sugestão